Auxílio emergencial: 3 milhões de contas foram bloqueadas

Problemas com sua conta social da Caixa? Saiba que é preciso ir até a agência para regularizar a sua situação cadastral e continuar recebendo o auxílio emergencial.

Publicidade
Publicidade

Auxílio emergencial

Design sem nome 18

A sua conta social da Caixa foi bloqueada? Então saiba que é preciso se dirigir até uma agência para regularizar a sua situação cadastral e continuar recebendo o auxílio emergencial.

Nesta última terça-feira (21) a Caixa Federal divulgou que aproximadamente 3 milhões de pessoas tiveram a conta social bloqueada por suspeita de fraudes.

Em entrevista para o portal de notícias Infomoney, Pedro Guimarães, afirmou que aproximadamente 5% das contas sociais foram bloqueadas por conta disso. 

Agora para regularizar essa situação, os beneficiários precisarão ir até uma agência bancária da Caixa munidos de um documento de identidade para regularizar a situação.

Anúncios
Publicidade

Suspeitas de fraudes no Auxílio Emergencial

Ainda segundo a Caixa Federal, a suspeita que levou ao bloqueio do aplicativo não está ligada a fraudes por parte do usuário, mas sim por parte de hackers.

Contudo, o próprio presidente da Caixa chegou a afirmar que nem todas as contas bloqueadas foram alvos de hackers. Mas, por segurança a instituição acabou levando ao bloqueio algumas outras contas.

Publicidade

A Caixa chegou a esclarecer que o aplicativo Caixa Tem possui múltiplos mecanismos integrados de segurança. Isso faz dele um app inviolável e seguro.

Por isso, é possível observar que o percentual de fraudes é bastante baixo, o que se deve a engenharia social onde são usadas informações, documentos e acessos dos próprios clientes.

Apesar desta segurança, Pedro Guimarães, adverte para que os usuários usem somente os aplicativos oficiais da Caixa e não compartilhem de forma alguma informações pessoais com terceiros.


Publicidade

Veja também:


Implantação rápida do sistema gerou brechas de segurança

Apesar de todos os esforços da Caixa para oferecer um aplicativo seguro para seus usuários, devido a rapidez que foi preciso para implantar o sistema houve algumas brechas de segurança.

Para se ter uma ideia, em maio no prazo de dez dias, hackers acessaram milhares de contas. Contudo, isso foi identificado e o problema foi corrigido.

Publicidade

Porém, algumas pessoas honestas tiveram suas contas bloqueadas para que a Caixa conseguisse salvar o dinheiro público.

Não houve outra alternativa para o banco. E agora para que essas pessoas possam ter a conta desbloqueada é preciso que elas se dirijam até uma agência bancária de acordo com o calendário que foi estipulado pelo governo.

Segundo Pedro Guimarães, quando essa pessoa vai até uma agência e mostra que realmente é ela mesma, a liberação do benefício é feita rapidamente.

Já se essa pessoa não for até a agência, infelizmente ela continuará com a conta bloqueada. Até porque é inadmissível qualquer tipo de fraude nesses tempos.

Além de fraudes o auxílio pode ter sido bloqueado

Fora as fraudes, Pedro Guimarães também enalteceu que há um grupo de pessoas que mesmo tendo recebido uma ou mais parcelas pode ter tido o auxílio bloqueado.

Nesses casos não há uma relação direta com golpes. Isso acontece porque a Dataprev e o Ministério da Cidadania validam cada nova parcela que é depositada e conferem se o beneficiário realmente continua tendo direito ao benefício.

Publicidade

Até porque somente agora o governo está conseguindo melhorar a análise de dados. E com isso está sendo possível identificar quem realmente tem direito ao auxílio emergencial. Para quem precisa ir até uma agência, é preciso seguir o seguinte calendário:

Publicidade

Até 24/07 – nascidos em janeiro, fevereiro e março;

27/07 a 31/07 – nascidos em abril e maio;

03/08 a 07/08 – nascidos em junho e julho;

10/08 a 14/08 – nascidos em agosto, setembro e outubro;

17/08 a 21/08 – nascidos em novembro e dezembro.

Publicidade

Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário, sua sugestão e compartilhe esta notícia com seus amigos nas redes sociais.