44% dos jovens usam redes sociais para decidir sobre investimentos. Entenda!

Os jovens estão mais propensos a guardar dinheiro e investir, segundo aponta uma pesquisa realizada pelo Datafolha e encomendada pelo C6 Bank que ouviu cerca de 950 adolescentes brasileiros.

Publicidade
Anúncios

Investimentos

jovens investidores

A busca por investimentos está aumentando nos últimos tempos. Afinal, com a informação cada vez mais acessível, muitas pessoas passaram a procurar alternativas para investir, e as redes sociais tornaram-se fonte de informação.

Para se ter uma ideia, 44% dos jovens usam as redes sociais como principal fonte de informação para tomar decisões de investimentos. Os dados são de uma pesquisa do Datafolha encomendada pelo C6 Bank.

A pesquisa ouviu aproximadamente 950 adolescentes brasileiros entre os dias 18 e 25 de outubro, e mostrou que 70% deles possuem hábito de guardar dinheiro. Dos entrevistados, 81% são da classe A, 73% da classe C e 51% estão nas classes D e E.

CARTÃO AZUL ITAUCARD GOLD MASTERCARD
CARTÃO DE CRÉDITO

CARTÃO AZUL ITAUCARD GOLD MASTERCARD

PONTOS
 
FÁCIL ACEITAÇÃO
Um cartão para quem gosta de viajar!
Você permanecerá no site atual

Aumento na busca por informações de investimentos

Conforme antecipamos, o brasileiro está buscando cada vez mais alternativas para começar a investir. De acordo com um estudo da equipe de Marketing Insights & Analytics do Twitter Brasil, houve um crescimento de 400% nas postagens relacionadas sobre assuntos financeiros na plataforma.

Anúncios
Publicidade

No total, foram 14 milhões de tweets, o que mostra um aumento bastante significativo na procura por assuntos relacionados ao universo financeiro. Os principais objetivos citados nesta pesquisa são complemento na renda mensal e reserva de emergência para situações inesperadas.

Para se ter uma base, 64% dos participantes afirmaram acreditar que podem ganhar muito dinheiro no curto prazo, tomando decisões de investimentos por conta própria com base apenas em dicas de internet.

Publicidade

Veja também:


Redes sociais democratizaram o acesso à informação

Hoje em dia o jovem tem muito mais fontes de informação à sua disposição do que há alguns anos. Ao mesmo tempo que isso é bom, também pode ter o lado negativo da moeda, uma vez que é preciso saber filtrar a informação.

Liao Yu Chieh, professor do Insper e diretor de educação financeira do C6 Bank, disse em uma entrevista à Folha de São Paulo que o percentual de jovens que acreditam poder ganhar muito dinheiro no curto prazo é preocupante.

Ele destaca que isso não é uma verdade, e é um ponto de atenção com o qual os jovens precisam tomar muito cuidado. Afinal, ganhar dinheiro no curto prazo com investimentos de risco exige muito conhecimento do mercado financeiro.

Criptomoedas também estão ganhando fôlego

Publicidade

O que vem chamando bastante a atenção e ganhando os holofotes nas redes sociais são as criptomoedas. Só para ter uma base, a hashtag #criptomoedas foi usada em 62% das postagens sobre finanças no Brasil.

É importante destacar que entre os mais jovens o termo é popular, uma vez que em metade das postagens com a hashtag o autor ou autora tinha até 24 anos. Isso mostra que a nova geração já vê as criptomoedas com menos preconceito.

O mesmo levantamento mostrou que 81% dos usuários das redes sociais querem investir mais no ano que vem, e 66% disseram que estão procurando instrumentos mais rentáveis de investimentos.

Publicidade

Maior procura por educação financeira

A crescente procura por educação financeira tem vários motivos. Mas o principal foi a chegada da pandemia de Covid-19 que pegou muita gente de surpresa. Com a queda na renda, muitas pessoas se viram completamente endividadas.

Para não passar novamente pela mesma situação, os brasileiros começaram a buscar mais conhecimento sobre finanças. Principalmente os profissionais autônomos e pequenos empreendedores que foram os mais afetados.

Com mais instrução financeira, é possível que uma nova pandemia iria afetar muito menos as finanças de muita gente. Principalmente de empresas que tiveram que fechar suas portas por vários meses.

Gostou deste artigo? Então não deixe de compartilhar com todos os seus amigos e parentes nas suas redes sociais e nos ajude a disseminar o conhecimento.