Alta dos combustíveis está fazendo motoristas de App desistirem!

Por conta das constantes altas no preço dos combustíveis, muitos motoristas de App estão pensando em desistir. Inclusive, do começo de 2020 até o momento, houve uma redução de 25% no número de motoristas.

Publicidade
Anúncios

Alta dos combustíveis

alta dos combustíveis

Neste ano de 2021, os combustíveis foram os principais responsáveis pelo aumento na inflação no Brasil. Aliás, não é só o Brasil que vem sofrendo com a alta no preço dos combustíveis, mas também diversos outros países.

Um dos motivos para isso é que no ano passado com a chegada da pandemia muita gente parou de sair de casa. Isso levou a uma queda no consumo de combustível. Para não ter queda no preço, a Opep, que é um cartel formado pelos principais países produtores de petróleo do mundo decidiu baixar a produção mundial de petróleo.

A consequência dessa decisão resultou em um aumento no preço dos combustíveis neste ano, quando a pandemia começou a dar sinais de melhora e as pessoas passaram a sair mais de casa. Ou seja, a procura aumentou e elevou o preço.

CARTÃO BANCO PAN
CARTÃO DE CRÉDITO

CARTÃO BANCO PAN

CASHBACK
 
PONTOS
Use mais, pague menos e controle tudo pelo App!
Você permanecerá no site atual

Motoristas de aplicativos estão desistindo da profissão

Uma das profissões que está mais sentindo a inflação de custos são os motoristas de aplicativos. Afinal, eles não estão conseguindo repassar o aumento no preço dos combustíveis para o consumidor final.

Anúncios
Publicidade

De acordo com Eduardo Lima de Souza, presidente da Associação de Motoristas de Aplicativos de São Paulo (Amasp), as tarifas não são reajustadas desde 2015. Não é para menos que 25% dos motoristas de aplicativos deixaram de trabalhar para as plataformas desde o início do ano passado.

Segundo o representante da categoria, esse percentual foi colhido a partir de uma base de dados da prefeitura. Para se ter uma ideia, no início de 2020 existiam 120 mil motoristas cadastrados, hoje esse número caiu para 90 mil.

Publicidade

Souza disse que os motoristas entraram em uma fase crítica depois dos consecutivos aumentos no preço dos combustíveis. Segundo ele, essa é uma situação muito grave uma vez que a categoria não teve reajustes de preço nem para acompanhar a inflação desde 2015.


Veja também:


Aplicativos precisam tomar medidas para repassar o preço

O presidente da Amasp pede que os aplicativos como Uber e 99 tomem medidas para aumentar a receita dos motoristas, uma vez que houve um aumento nas despesas. Ele ainda destaca que a associação está conversando com o governo paulista em busca de redução do ICMS dos combustíveis.

Além disso, a Amasp também está buscando junto ao governo a implantação de um programa para auxiliar os motoristas a converterem os seus carros para o Gás Natural Veicular (GNV). Isso permitiria uma redução de mais de 50% em relação ao consumo de gasolina.

Publicidade

Para se ter uma ideia, a instalação desse equipamento custa aproximadamente R$ 4 mil, o que inviabiliza os motoristas arcarem com esse custo. Portanto, se a situação permanecer sem acordo, os sindicalistas ameaçam fazer protestos ou até mesmo entrar em greve.

Desistência de motoristas

Por conta dos motoristas estarem a beira de uma desistência, o que tem acontecido com frequência é o cancelamento de corridas antes mesmo de buscarem o passageiro. Isso está tornando as corridas mais difíceis para os usuários de App.

Os motoristas, por sua vez, disseram que esse acontecimento se dá pelo fato da corrida não compensar por conta do deslocamento até o local onde o usuário está. Muitos motoristas confessam que ao final do dia na hora de abastecer a vontade é de chorar.

Publicidade

Eduardo Lima de Souza, que também é motorista de aplicativo disse que o cancelamento de viagens está acontecendo porque muitas vezes o motorista acaba tendo prejuízo no percurso. Ou seja, ele paga para levar o passageiro até o destino.

“Semana passada, tive de rodar 17 minutos (5,9 km) para chegar ao passageiro. Quando o peguei, percorri 1,5 km em cinco minutos. Ganhei R$ 8 pela corrida, o que mal deu para pagar o combustível, já que meu carro faz 5,9 km com um litro de etanol”, afirmou Eduardo Lima de Souza.

Portanto, se nada for feito, teremos uma precarização ainda maior dessa categoria de trabalhadores. Gostou deste artigo? Então não deixe de compartilhar com todos os seus amigos e parentes nas suas redes sociais.