Privatização da Caixa Federal? Entenda como será!

Uma medida provisória em análise, permite ao governo federal vender parte do banco estatal até dezembro de 2021. E o que isso muda para os correntistas? Confira.

Publicidade
Anúncios

Privatização da Caixa Federal

caixa

Ao que tudo parece a privatização da Caixa Federal deve começar já no ano que vem. Mas, o que muda para os correntistas?

Está em análise no Congresso Federal a Medida Provisória 995/2020, que permite ao governo federal vender parte do banco estatal até dezembro de 2021.

De acordo com essa MP que foi editada no dia 07 de agosto, as subsidiárias do banco estarão autorizadas a constituírem outras, até mesmo por incorporação de empresas privadas.

A MP 995/2020 ainda prevê que até dezembro do ano que vem, parte do banco já estará privatizado por conta da incorporação e venda das subsidiárias. Lembrando que a Caixa é o único banco estatal do governo federal sem nenhuma participação privada.

Anúncios
Publicidade

Entendendo a privatização da Caixa Federal

A MP 995/2020 que permite que subsidiárias da Caixa Federal constituam outras, inclusive pela incorporação de ações de empresas privadas, é considerada o primeiro passo para o processo de privatização do banco estatal.

O processo começa a circular em um momento onde o governo federal está sendo cobrado pela demora nos processos de privatização, inclusive levando diversos membros da equipe econômica a saírem do ministério.

Publicidade

Ao todo, a Caixa Federal possui 24 empresas coligadas e 5 subsidiárias, sendo uma delas a Caixa Seguradora. Rodrigo Motroni, vice-presidente da Newe Seguros, vê de maneira positiva a iniciativa do governo.

Para ele, esse processo vai trazer uma concorrência maior no mercado, com novos produtos, melhorias no atendimento aos consumidores, além de possibilitar ao governo se concentrar nas questões prioritárias.


Veja também:


Como fica os programas sociais com a privatização da Caixa Federal?

Publicidade

Apesar de ser vista pelo mercado de forma positiva, a privatização da Caixa abre também um novo debate: a questão dos programas sociais como o Minha Casa, Minha Vida por exemplo.

No entanto, segundo o governo, a privatização não irá afetar a Caixa no setor bancário nem tampouco a gestão dos programas sociais.

O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) acredita que a Caixa poderá continuar gerindo os programas sociais como o Bolsa Família e também os financiamentos imobiliários, por exemplo.

Publicidade

Contudo, há também quem veja essa questão com ressalvas, como o senador Plínio Valério (PSDB-AM). Para ele há o risco de que outros setores além de seguros sejam privatizados futuramente, e aí sim poderá afetar a questão dos programas sociais.

Complexidade do processo de privatização

Por se tratar de um processo bastante complexo, a MP já possui mais de 400 emendas que foram apresentadas pelos parlamentares.

Algumas delas, impedem inclusive, a desestatização das subsidiárias da Caixa assim como a venda de parte do seu capital sem a análise do Congresso.

Um dos principais críticos ao processo de privatização da Caixa, o senador Paulo Paim (PT-RS) é um dos autores de algumas dessas emendas.

Além disso, há também os representantes dos trabalhadores do ramo financeiro, que se posicionam contra a privatização, defendendo que a Caixa deverá continuar sendo totalmente pública.

Juvandia Moreira, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, diz que o povo, principalmente as classes mais baixas, precisam do banco como estatal.

Publicidade

Para ela, essas classes são totalmente dependentes do financiamento imobiliário, dos programas sociais, que caso aconteça as privatizações estarão sob risco de serem extintas.

O processo não deverá andar tão depressa quanto parece

Publicidade

A privatização da Caixa Federal é um tema que não é recente. Assim como os Correios, é um setor estratégico do governo que irá encontrar muita oposição em seu processo de venda.

Por isso, a MP deverá circular por um bom tempo no Congresso, sendo que diversas ressalvas deverão ser incorporadas, para evitar um desmonte do Estado.

Enquanto isso não acontece, tanto o mercado financeiro quanto os representantes de classes aguardam ansiosos o desfecho dessa história.

Gostou desse artigo? Deixe o seu comentário, sua sugestão e compartilhe esta notícia com seus amigos nas redes sociais.