Fintechs de crédito: uma solução para pequenos empresários

Estudo aponta que 60% dos microempresários tiveram a solicitação de empréstimo negada pelas instituições bancárias tradicionais. Conheça as fintechs de crédito.



Anúncios



Anúncios

Fintechs de crédito

banco digital

Estamos vivendo um novo tempo. Se antes era possível tomar empréstimos apenas nos bancos tradicionais, agora a cada dia as fintechs de crédito estão tomando este espaço.

A tendência se intensificou ainda mais depois da pandemia de coronavírus. Afinal, muitos empresários se viram em desespero, e por não conseguirem acesso ao crédito nos bancos tradicionais, tiveram que recorrer às fintechs.

Uma pesquisa recente do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) apontou que 60% dos microempresários tiveram a solicitação de empréstimo negada pelas instituições bancárias tradicionais.

O principal motivo para isso foi a burocracia exigida por essas instituições. Por isso, esses empresários passaram a buscar novas alternativas  no mercado, encontrando a solução nas fintechs de crédito.



Anúncios



Anúncios

Fintechs de crédito oferecem muito mais do que empréstimos

Diversas são as fintechs que passaram a atuar no mercado de crédito para ajudar os micro e pequenos empresários em um momento tão difícil.

Uma delas é uma fintech criada no ano de 2017 por Fábio Takara e mais dois sócios. A startup desenvolveu um fundo em parceria com uma escola de empreendedorismo, e com isso conseguiu liberar crédito mais rápido para os pequenos empresários.

No total o fundo já captou R$ 350 mil, sendo que a expectativa é chegar em até R$ 500 mil. A fintech oferece crédito de até R$ 3 mil, sendo ele destinado para micro e pequenas empresas da periferia.



Anúncios

Ao todo, quarenta empreendedores de seis estados já conseguiram o empréstimo que possui uma taxa de juros de 1% ao mês, ou seja, uma taxa abaixo das praticadas no mercado financeiro.

O prazo para pagar o empréstimo é de até 20 meses, sendo que o empreendedor ainda tem 04 meses de carência para começar a pagar. 


Veja também:


Fintech faz análise de riscos diferente dos bancos tradicionais

De acordo com Fábio Takara, a análise de risco da fintech é diferente dos bancos tradicionais. Desse modo, não é levado em consideração se a pessoa tem o nome negativado.

O que é considerado pela empresa é o perfil do empreendedor, e a partir dele a fintech procura entender os hábitos de consumo, nível de conhecimento e o hábito familiar. Então fica mais fácil saber se ele é bom ou mau pagador.

Com isso, as fintechs de crédito conseguem superar a burocracia e atender os micro e pequenos empresários de forma muito mais efetiva.

Bancos tradicionais estão perdendo espaço no mercado

Por conta da pandemia de coronavírus, os bancos tradicionais estão perdendo cada vez mais espaço no mercado. Isso não só na concessão de empréstimos, mas também de correntistas.



Anúncios

Além das fintechs de crédito, estão surgindo a cada dia mais, novos bancos digitais que estão disponibilizando diversos serviços gratuitos para os seus clientes.

Um deles é a transferência entre bancos, conhecida como TED. Até o surgimento dos bancos digitais, uma TED chegava a custar até R$ 20 em um banco tradicional. Agora, o serviço é gratuito.

Nubank, Banco Inter e PagBank por exemplo, oferecem uma quantidade ilimitada de transferências no mês. Isso gera uma tremenda redução de custos, principalmente para quem precisa fazer muitas operações.

Outras soluções como o PicPay e Mercado Pago, oferecem todo um serviço de pagamento e recebimento para seus clientes. Com isso, eles podem inclusive fazer pagamento parcelado de boletos cadastrando um cartão de crédito na plataforma.

Portanto, é possível ver que estamos diante de uma verdadeira transformação no sistema financeiro. Por isso, o crescimento das fintechs deverá se intensificar ainda mais nos próximos meses.

Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário, sua sugestão e compartilhe esta notícia com seus amigos nas redes sociais.