Itaú Cultural investe em plataforma sobre ancestralidade negra

Com o objetivo de trazer mais conhecimento sobre a ancestralidade do Brasil, o Itaú Cultural e a Fundação Tide Setubal, lançaram na última semana uma plataforma chamada Ancestralidades.

Publicidade
Anúncios

Ancestralidade negra

Ancestralidades

O Itaú Cultural em parceria com a Fundação Tide Setubal, lançaram na última semana a plataforma chamada Ancestralidades, que traz um conjunto de informações sobre as heranças culturais do Brasil, iniciando pela temática afro-brasileira.

O lançamento da plataforma conta com um encontro online chamado Perspectivas das Ancestralidades Negras que foi transmitido pelo Youtube do Itaú Cultural. O evento reuniu diversas personalidades da área.

Dentre os convidados estavam Eduardo Oliveira, filósofo e professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), a escritora Ana Maria Gonçalves, a filósofa Sueli Carneiro e o músico Tiganá Santana. Os três últimos integram o conselho do projeto.

CARTÃO ITAUCARD CLICK
CARTÃO DE CRÉDITO

CARTÃO ITAUCARD CLICK

SEM ANUIDADE
 
RECOMPENSAS
Um cartão repleto de benefícios para você!
Você permanecerá no site atual

O lançamento da plataforma Ancestralidades do Itaú

O lançamento da plataforma Ancestralidades é um projeto que tem como objetivo mostrar as heranças culturais do Brasil, e como estamos no mês da consciência negra, o projeto começou pela temática afro-brasileira.

Anúncios
Publicidade

O encontro realizado na última semana é o primeiro de uma série de encontros que serão chamados de Bongola, que é uma expressão que na língua de tronco africano bantu kimbundu remete a reunião.

A proposta da plataforma Ancestralidades é difundir, gerar intercâmbios e potencializar diversos conteúdos sobre a temática que dá nome ao projeto. Para isso, ela é composta por três eixos temáticos.

Publicidade

O primeiro eixo é Arte e Cultura, o segundo Democracia e Direitos Humanos e o terceiro, Ciência e Tecnologia. Conforme já dissemos, eles serão apresentados ao público em uma série de encontros sobre cada eixo.


Veja também:


Programação durante todo o mês de novembro

Durante todo o mês de novembro, o Itaú Cultural vai organizar uma programação especial que inclui, além de encontros, apresentações musicais e lives sobre cinema negro. Bem interessante, não é mesmo?

Em paralelo , 30 agentes mobilizadores vão participar de uma formação com os conselheiros da plataforma e receberão uma bolsa para que possam também contribuir com os debates e pontos levantados durante os encontros Bongola.

Publicidade

A plataforma também vai disponibilizar consultas verbetes sobre as raízes afro-brasileiras, acervo que será acrescido ao longo do tempo. A intenção é formar e criar repertórios sobre o tema, apresentando biografias e trajetórias de personalidades negras e suas histórias.

Para isso haverá uma equipe de pesquisadores multidisciplinar do Afro, do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento, que assina parte da produção dos verbetes da plataforma. Será na verdade um núcleo de pesquisa para formação e difusão da temática racial.

Conceito visual de circularidade

Um dos pontos interessantes da plataforma é que ela adota o conceito visual de circularidade que remete às marcas das expressões religiosas e culturais negras e afro-brasileiras, no qual a roda, o giro e o círculo são partes importantes tanto estética quanto simbólica.

Publicidade

Dessa forma, a plataforma foi pensada de uma maneira que se possa ir do século XXI para trás, e ao mesmo tempo aponta demandas e desafios do futuro. Ela propõe o olhar do presente que resgata o passado e lança para os dias que ainda virão.

Vale destacar que ao longo do ano o espaço contará com novas narrativas emergentes sobre os três eixos, além de política, ambiente, sociedade, tecnologia, economia e legislação, com temas que mais sobressaírem nas redes e mídias.

Memória dos povos que formaram o Brasil

De acordo com Neca Setubal, presidente do Conselho da Fundação Tide Setubal, a plataforma é uma contribuição para valorizar, compreender e manter viva a memória dos povos que formam o Brasil.

Ela destaca ainda que ampliar o acesso às informações e às visões sobre nossas ancestralidades, trazendo personagens e movimentos afro-brasileiros pouco visibilizados é essencial para compreender melhor os vários matizes que formam o Brasil que é mestiço, diverso e multicultural.

Gostou deste artigo? Então não deixe de compartilhar com todos os seus amigos e parentes nas suas redes sociais.