Cédula de 200 reais: por que o Banco Central passou a criá-la?

O principal motivo da criação da cédula de 200 reais foi o aumento na demanda por papel moeda nos últimos meses. Saiba mais a seguir.

Publicidade
Publicidade

Cédula de 200 reais

cédula de 200 reais

Nos últimos dias um dos assuntos mais comentados no país foi a criação da cédula de 200 reais pelo Banco Central. Mas, por que isso aconteceu?

O anúncio foi feito na última quarta-feira (29), e a cédula será o maior valor já lançado desde a criação do Real no ano de 1994.

De acordo com o Banco Central, a cédula já entrará em vigor a partir do fim de agosto sendo que ela já foi aprovada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Este anúncio acabou dividindo a opinião tanto de especialistas quanto de pessoas comuns que passaram a se posicionar tanto pró quanto contra a iniciativa.

Anúncios
Publicidade

Os motivos da criação da cédula de 200 reais

Segundo o Banco Central, o principal motivo da criação da cédula de 200 reais foi o aumento na demanda por papel moeda nos últimos meses.

Um dos principais motivos foi o auxílio emergencial que o governo liberou para aproximadamente 65 milhões de brasileiros durante a pandemia de Covid-19.

Publicidade

Como grande parte dos beneficiários não usa conta bancária e recorreu a saques do auxílio, houve uma escassez de notas no mercado, obrigando o Bacen a aumentar a impressão de dinheiro.

Durante os meses de março e julho, de acordo com o Banco Central, o Brasil passou também por um aumento de R$ 61 bilhões no entesouramento de moedas.

Ou seja, esse foi o total de cédulas que simplesmente deixaram de circular porque uma parte da população passou a guardar dinheiro dentro de casa.


Publicidade

Veja também:


Entesouramento é efeito derivado da pandemia

Segundo Carolina de Assis Barros, diretora do Banco Central, o Brasil está vivendo um período de entesouramento que é um efeito derivado do Covid-19.

Dessa forma, fica difícil do Banco Central conseguir precisar por quanto tempo esse entesouramento irá perdurar, e por isso precisa obrigatoriamente jogar mais notas no mercado.

Publicidade

No entanto, ao ser obrigado a imprimir mais dinheiro, há uma elevação de custos relacionados a impressão, armazenamento e logística de distribuição dessas notas.

Portanto, se mais pessoas estão procurando por dinheiro em espécie, maior será o gasto com impressão de dinheiro e também com armazenamento e logística.

De acordo com o BC, a impressão de uma cédula de R$ 200 tem o mesmo custo de uma nota de R$ 100. Portanto, ao decidir pela criação da cédula de R$ 200, a estimativa do BC é que se gaste aproximadamente 50% menos com a impressão.

Dessa forma, o auxílio emergencial deixará de ser pago com 6 notas de R$ 100 e passará a ser pago com apenas 3 notas de R$ 200.

Lobo-guará é o animal escolhido para a cédula de 200 reais

As cédulas de 200 reais que passarão a circular a partir do final de agosto serão estampadas pelo Lobo-guará, uma espécie originária da América do Sul e que já esteve sob o risco de extinção.

No entanto, hoje em dia o animal não está mais classificado neste risco, segundo a União Internacional para Conservação da Natureza.

Publicidade

No ano de 2001 houve uma votação feita pelo BC para escolher os animais que estampariam as novas cédulas, e o Lobo-guará ficou em terceiro lugar.

Publicidade

O vencedor foi a tartaruga-marinha que estampou as notas de R$ 2 e o segundo colocado foi o mico leão dourado que estampa as notas de R$ 20. Portanto, o Lobo-guará que ficou em terceiro lugar herdou a nota de R$ 200.

Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário, sua sugestão e compartilhe esta notícia com seus amigos nas redes sociais.