Auxílio emergencial: prorrogação das 04 parcelas não será para todos



Anúncios

O governo irá prorrogar o auxílio emergencial em mais quatro parcelas de R$ 300. Porém, nem todos os beneficiários irão recebê-las.

Somente quem começou a receber o auxílio no mês de abril terá esse direito. Isso porque o estado de calamidade pública irá somente até o dia 31 de dezembro.

E como muitos beneficiários ainda estarão recebendo as parcelas anteriores, eles não terão direito à prorrogação do benefício.

Serão pagas, portanto, mais quatro parcelas do novo valor até o mês de dezembro deste ano. E quem começou a receber o benefício em abril terá direito à elas.



Anúncios

Já quem começou a receber em julho terá direito a apenas uma parcela de R$ 300 que será paga no mês de dezembro.



Anúncios

Prorrogação do auxílio emergencial foi oficializada

A prorrogação do auxílio emergencial em mais quatro parcelas de R$ 300 foi oficializada através da Medida Provisória 1.000/2020 na última quinta-feira (02).

Essa MP estabelece como serão as regras e também os pagamentos da parcela. Ficou definido, portanto, que os pagamentos serão feitos somente até dezembro. Independente do número de parcelas já recebidas.

A decisão está causando bastante mal estar. Pois, muitos beneficiários fizeram a inscrição logo no início, mas ficaram por mais de um mês com o pedido em análise.

Portanto, estão considerando injusta essa decisão do governo. Por outro lado, o governo alega que não pode realizar pagamentos no próximo ano.

Isso porque com o fim do estado de calamidade pública, os valores precisam sair do orçamento. E para aumentar essa despesa seria necessário realizar cortes de outras áreas.


Veja também:

Conta digital para adolescentes? Confira essa novidade!

Caixa está liberando crédito emergencial para microempresas

Cartão Santander: 3 opções que não precisam abrir conta no Banco


Renda Brasil deverá ser anunciado para o próximo ano

Assim que o auxílio emergencial chegar ao final o governo deverá anunciar o seu novo programa de distribuição de renda: o Renda Brasil.

O programa será o substituto do Bolsa Família. Todavia, ele irá ter uma abrangência maior, embora ela seja menor do que a abrangência do auxílio emergencial.

Hoje estão recebendo o auxílio emergencial aproximadamente 65 milhões de pessoas. O governo pretende pagar o Renda Brasil para aproximadamente 21 milhões de brasileiros.

Esse é um programa que visa combater a extrema miséria no país. Inclusive acredita-se que em alguns casos ele terá um voucher para mães que possuem filhos em idade escolar.

Ainda não está definido como será o programa. Mas, ao que tudo indica o governo deverá fazer o seu anúncio oficial ainda este ano.

Até porque a ideia é que ele venha na sequência do auxílio emergencial. Ou seja, não haverá um tempo sem o pagamento do benefício assistencial.

Combate à desigualdade social durante a crise

O auxílio emergencial foi um importante programa do governo federal que ajudou a evitar um aprofundamento da desigualdade social durante a crise.

Ele foi voltado para profissionais liberais e autônomos que possuem uma vulnerabilidade maior. Esses profissionais não possuem nem seguro-desemprego e nem FGTS.

E como a renda deles acabou despencando de uma hora para outra por conta do isolamento social, foi preciso que o governo tomasse alguma atitude.

Embora a pandemia ainda pareça estar longe do fim, o auxílio emergencial terá data para acabar. Portanto, no dia 31 de dezembro muita gente irá dar adeus ao benefício.

A expectativa é que até lá a pandemia de coronavírus tenha chegado ao seu final, e uma possível vacina já tenha sido desenvolvida para que a normalidade volte a reinar.

Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário, sua sugestão e compartilhe esta notícia com seus amigos nas redes sociais.