Salário mínimo de R$ 1.100 em 2021? Confira!

Fique por dentro sobre o novo salário mínimo de 2021. O reajuste aplicado foi de 5,26% com base em uma projeção do INPC. Confira.



Anúncios



Anúncios

Salário mínimo em 2021

salário mínimo

Nesta última semana, o governo federal anunciou que o salário mínimo deverá ser de R$ 1.100 para o ano de 2021.

O reajuste aplicado foi de 5,26% com base em uma projeção do INPC (Índice Nacional de Preço ao Consumidor) que mede a inflação sentida pelas famílias de 1 a 5 salários no Brasil.

No entanto, após o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) anunciar que o INPC fechou 2020 em 5,45%, o governo deverá editar uma nova MP corrigindo o salário mínimo para R$ 1.102.

Quer saber mais sobre o reajuste do salário mínimo? Então continue por aqui só mais alguns minutinhos.



Anúncios



Anúncios

Qual será o valor do salário mínimo, afinal?

Até o momento, o valor do salário mínimo anunciado pelo governo é de R$ 1.100. Entretanto, para corrigir a inflação esse valor precisa ser de no mínimo R$ 1.101,95.

Ou seja, para que o assalariado não perca o seu poder de compra, é preciso que o reajuste se dê neste valor.

Como a constituição federal assegura que o salário mínimo seja corrigido ao menos pela inflação, o governo deverá editar uma MP nesta próxima semana corrigindo o valor.



Anúncios

Mas, porque o valor divulgado já não é o correto?

O valor anunciado oficialmente pelo governo é amparado em uma estimativa do INPC. Isso acontece, porque o novo salário mínimo precisa vigorar a partir do primeiro dia de janeiro.

No entanto, o índice divulgado pelo IBGE somente acontece por volta do dia 12 do mês de janeiro. Por isso, é comum ocorrer essa nova MP editando o salário.

Sendo assim, em teoria, os trabalhadores não irão perder o poder de compra em 2021, visto que o aumento acompanha a inflação do período.


Saiba como organizar as suas finanças:


E o salário mínimo só pode ser corrigido pela inflação?

O salário mínimo precisa ser corrigido ao menos pela inflação, de acordo com a constituição federal de 1988. Mas, isso não impede que sejam dados aumentos maiores.

Inclusive isso aconteceu durante o governo de Dilma Rousseff, que implantou aumentos reais do salário mínimo acima da inflação. A proposta foi aprovada pelo Congresso e vigorou de 2011 até 2019.

Apesar de ser bom para o trabalhador, aumentos reais do salário mínimo geram grandes impactos nas contas públicas do país. Além disso, há o problema da pressão inflacionária.



Anúncios

Só para ter uma ideia, o salário mínimo serve de base para 49 milhões de trabalhadores no Brasil. De acordo com cálculos do próprio governo, a cada R$ 1 de aumento no salário mínimo, cria-se uma despesa de R$ 343 milhões.

Então não haverá perda real no poder de compra?

Olhando de forma geral, pode parecer que o trabalhador não irá perder o poder de compra neste ano de 2021.

No entanto, o INPC considera os hábitos de consumo de famílias de 1 a 5 salários. O grande problema é que em 2020 houve uma inflação mais concentrada no setor de alimentos.

Ao considerar somente o setor alimentício a inflação superou os 10%, e as famílias que vivem somente com o salário mínimo tem um gasto proporcional maior com alimentos.

Sendo assim, haverá uma certa perda no poder de compra dessas famílias. E por isso será necessário muito planejamento para não se endividar.

E o que fazer para não se endividar?

Para não se endividar, será preciso que as famílias passem a olhar o orçamento de forma mais crítica, evitando qualquer gasto desnecessário.

Marcar todas as entradas e saídas, e procurar substituir os alimentos é fundamental para manter as contas em ordem.



Anúncios

De acordo com projeções do relatório FOCUS, a inflação em 2021 será de 3,34%. Ou seja, ela deverá se normalizar agora. Mas, ainda é cedo para afirmar.

Uma boa opção para quem está querendo se organizar, é fazer o curso Trilha Financeira da Serasa que é gratuito e 100% online. Ele vai ajudar bastante nessa empreitada.

Gostou desta matéria? Então não deixe de compartilhar com seus amigos e parentes nas redes sociais.