Auxílio emergencial: reanálise pode fazer beneficiários não receber a terceira parcela

Mudanças no auxílio emergencial podem fazer com que muitos profissionais fiquem sem receber as próximas parcelas do benefício. Entenda.

Publicidade
Publicidade

Auxílio emergencial

auxilio emergencial caixa economica federal 2020

O Auxílio emergencial surgiu com o objetivo de ajudar muitas famílias durante a pandemia de coronavírus. Mas, muitos profissionais poderão não receber as próximas parcelas do benefício.

A partir de agora, cada pagamento passará por uma reanálise do cadastro, pois a base de dados e informações sobre cada cliente está ficando mais robusta.

Ou seja, com novos dados inseridos, o governo está conseguindo identificar quem realmente tem direito ao benefício e quem não tem. Ao todo, são aproximadamente 50 milhões de brasileiros que estão recebendo o auxílio emergencial.

Isso está intrigando muita gente que ao ter sido aprovado, estava acreditando que todas as parcelas seriam pagas sem uma nova análise de dados.

Anúncios
Publicidade

A reanálise do auxílio emergencial

O Ministério da Cidadania esclareceu que a medida visa identificar e combater o pagamento indevido de benefícios.

Nesse caso também há a questão de quem precisou da primeira parcela e não precisa das demais. Por exemplo, se uma pessoa recebeu o auxílio por estar desempregado e nesse meio tempo conseguiu um emprego, não terá mais direito a receber as outras parcelas.

Publicidade

O pagamento da segunda parcela já foi passado por uma reanálise, e algumas pessoas que receberam a primeira parcela não receberam a segunda. O mesmo acontecerá com o pagamento da terceira parcela.

Além do fato de conseguir um emprego, se o cidadão passar a receber qualquer outro benefício do governo como pensão ou aposentadoria, também terá o auxílio emergencial cortado.

O benefício custa cerca de R$ 50 bilhões mensais para os cofres públicos. Esse é o maior programa social feito para combater a pandemia de coronavírus.


Publicidade

Veja também:


Outros impeditivos para não receber as demais parcelas do benefício

Além do que foi falado acima, há outros impeditivos que vão impedir o cidadão de receber as demais parcelas do auxílio emergencial.

Dentre eles está em conseguir um emprego, começar a receber qualquer benefício do governo, ter aumento tanto na renda familiar quanto na renda pessoal.

Publicidade

Nesse caso, se o marido e a esposa estavam desempregados e um deles conseguiu um emprego com renda superior a três salários mínimos, ambos irão perder o direito de receber as próximas parcelas do auxílio emergencial.

Caso o beneficiário tenha o CPF cancelado por algum motivo neste meio tempo, também terá, desse modo, a terceira parcela do benefício cortada.

Quem tem o direito de receber o auxílio emergencial?

O auxílio emergencial foi um programa criado pelo governo federal para ajudar os profissionais liberais e autônomos a enfrentar a crise do coronavírus.

O governo entende, dessa forma, que esses profissionais são os mais vulneráveis durante a crise, pois não possuem nenhum tipo de segurança. Muitos, inclusive, se viram totalmente sem renda da noite para o dia.

Além deles, quem está desempregado também tem direito ao auxílio. No entanto, não pode estar recebendo o seguro-desemprego ou qualquer outro benefício do governo federal.

Os trabalhadores não podem também ter renda individual superior a meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar superior a três salários mínimos (R$ 3.135,00).

Publicidade

Um outro impeditivo é não ter declarado renda superior a R$ 28.559,70 no ano de 2018. Caso isso tenha acontecido, o trabalhador não poderá receber o auxílio emergencial.

Publicidade

Embora os impeditivos tenham sido divulgados antes mesmo da aprovação do benefício, diversas pessoas ainda assim fizeram a inscrição. Algumas, porém, foram aprovadas sem ter direito a receber.

Agora, com uma base de dados mais completa, ficará, portanto, mais fácil identificar quem recebeu o auxílio emergencial indevidamente e então cortar as demais parcelas.

Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário, sua sugestão e compartilhe esta notícia com seus amigos nas redes sociais.