Saiba como investir em Fundos de Ações

A diversificação de investimentos é uma das principais precauções que os investidores tomam antes de investir. E os fundos de ações oferecem justamente essa possibilidade de diversificação.

Publicidade
Anúncios

Fundos de Ações

Fundos de ações

Até pouco tempo atrás falar em investimentos era algo considerado assunto de rico. Agora isso mudou. Afinal, com a expansão tecnológica e o aumento na proliferação da educação financeira, investir ficou mais acessível para todos.

Inclusive, uma das opções que está ganhando cada vez mais notoriedade são os fundos de ações. Eles fazem parte da classe de investimentos de fundos, que é bastante ampla e possui exposição em renda variável.

Essa é uma forma de diversificar o investimento em diversas empresas sem a necessidade de ter que fazer uma análise mais aprofundada, afinal, quem escolhe os ativos que vão compor o fundo é o próprio gestor dele. Quer saber mais? Vem com a gente.

CARTÃO MÉLIUZ
CARTÃO DE CRÉDITO

CARTÃO MÉLIUZ

CASHBACK
 
SEM ANUIDADE
Receba de volta parte do dinheiro que gastar
Você permanecerá no site atual

O que são os fundos de ações?

Fundos de ações são ferramentas que possibilitam que o investidor adquira várias ações ao mesmo tempo comprando uma cota do fundo. Isso quer dizer que um conjunto de pessoas fornece um montante de dinheiro para uma equipe de gestão.

Anúncios
Publicidade

Essa equipe será a responsável por administrar o valor e escolher os ativos que vão compor o fundo. Vale destacar que um fundo de ação precisa ter ao menos 67% do patrimônio alocado em cotas de ações.

As cotas podem ser tanto bônus quanto recibo de subscrição, ou até mesmo certificados de depósitos de ações, cotas de fundos de ações, cotas dos fundos de índice de ações e BDRs (Brazilian Depositary Receipts).

Publicidade

Leia também:


Quais são as categorias de fundos de ações?

A Anbima classifica os fundos de ações em algumas categorias de gestão. No caso da categoria nível 2, os fundos de ações vão replicar as variações de alguns indicadores de referência do mercado de renda variável.

Já os recursos remanescentes em caixa precisam estar investidos em cotas de fundos de renda fixa. Nessa categoria também existem fundos específicos que adotam estratégias de investimentos ou possuem algumas características específicas como condomínio fechado.

Por fim, também existem os fundos de investimento no exterior que investem uma parcela superior a 40% do patrimônio em ativos fora do Brasil. A Anbima também faz uma classificação em subcategorias para definir a estratégia de gestão do fundo de ativos.

Como são as subcategorias?

Publicidade

As subcategorias, conforme antecipamos, classificam a estratégia de gestão dos fundos de ativos, ou seja, daqueles que são atrelados a um índice de referência. Sendo assim, são definidos alguns níveis.

Dentre eles estão: estratégia de crescimento / valor, estratégia setoriais, estratégia de dividendos, estratégia small caps, estratégia ESG, estratégia de índice ativo e estratégia livre. Em resumo, todos os fundos precisam estar dentro de alguma dessas subcategorias.

A estratégia de crescimento e valor engloba fundos que buscam retorno  por meio de seleção de empresas cujas ações estejam com o preço abaixo do valor considerado justo. Já a estratégia setorial engloba os fundos que investem em empresas pertencentes a um mesmo setor.

Publicidade

A estratégia de dividendos envolve fundos que investem em ações de empresas com histórico de dividend yield e a estratégia de small caps possui fundos compostos com pelo menos 85% em ações de empresas que não estejam incluídas entre as 25 maiores participações do Índice Brasil.

Como investir em fundos de ações?

Investir em fundos de ações não exige um capital inicial muito alto. No mercado existem cotas de fundos disponíveis começando em R$ 100. No entanto, existem fundos mais qualificados cujo valor da cota é de R$ 50 mil.

O investimento pode ser feito por qualquer corretora de valores, no entanto, é preciso antes de tomar a decisão saber mais sobre a liquidez do fundo e o seu histórico de rentabilidade para então avaliar se vale ou não a pena o investimento.

Gostou deste artigo? Então não deixe de compartilhar com todos os seus amigos e parentes nas suas redes sociais e nos ajude a disseminar o conhecimento.