Taxa Selic em 2%, e agora o que fazer com meu dinheiro?



Anúncios



Anúncios

Na última quarta-feira o Copom (Comitê de Política Monetária) realizou mais um corte na taxa básica de juros da economia brasileira, a Taxa Selic.

O valor que já era o menor da série histórica caiu de 2,25% para 2%. Esse é o nono corte seguido da taxa básica da economia, sendo que a decisão do Comitê foi unânime.

A série da Taxa Selic é medida desde quando começou a vigorar o regime de metas de inflação no ano de 1999, sendo este o menor patamar da história.

O corte, porém, já era esperado pelos analistas do mercado financeiro que acreditam que essa decisão encerra o ciclo de cortes que começou em agosto do ano passado.



Anúncios

Segundo o Copom, essa decisão foi tomada por conta da situação econômica que continua precisando de um estímulo monetário extremamente elevado.



Anúncios

Ainda de acordo com o próprio Copom, os ajustes futuros que possam vir a acontecer dependerão da percepção a respeito da trajetória fiscal.

Principais efeitos do corte da Taxa Selic

O principal efeito no corte da Taxa de Juros é justamente desestimular a poupança forçando as famílias a aumentarem o consumo de bens e serviços.

Além disso, com os juros básicos menores, há também uma redução dos juros bancários assim como uma alta na oferta de crédito o que também estimula o consumo.

É possível observar que nos primeiros seis meses deste ano, os bancos repassaram o corte dos juros básicos para suas linhas de crédito sendo que o número de empréstimos aumentou.

Fora isso, por conta do coronavírus os gastos públicos também aumentaram, refletindo no aumento da dívida pública. Com o corte da taxa Selic, o valor dos juros pagos pela dívida pública se mantém mais equilibrado evitando um desajuste fiscal ainda maior.



Anúncios

Onde investir o meu dinheiro?

Com a queda da Taxa Selic e uma inflação estimada em 1,76% para esse ano de 2020, muitos investidores estão correndo de aplicações como poupança, CDB e outros ativos de renda fixa.

Dessa forma, é preciso considerar que esse momento exige uma certa dose de ousadia por parte dos investidores, procurando assim ativos de maior risco.

Ao optar pela compra de uma ação de uma empresa, por exemplo, o investidor está estimulando o crescimento do setor produtivo, sendo esse um dos objetivos do governo.

Portanto, não há outro caminho neste momento a não ser procurar aplicar o capital em ativos de renda variável procurando diversificar os investimentos.


Veja também:



Anúncios

Finanças pessoais: a importância da diversificação de investimentos

Dia Nacional Da Saúde: como as dívidas afetam a nossa saúde?

Média do PIB cai em 07 anos deixando o brasileiro mais pobre


Com a Taxa Selic Baixa é uma boa hora para comprar imóveis?

Como as aplicações em renda fixa tendem a ser pouco atraentes, os investidores tendem a migrar para ativos de renda variável como já falamos.

Esses ativos compreendem em sua maioria, ações de empresas, que de certo modo vendem produtos e serviços no mercado.



Anúncios

Porém, investidores mais cautelosos irão buscar no mercado de imóveis oportunidade para aplicar o capital, correndo assim menos risco do que no mercado financeiro.

É bem provável que a queda na Selic venha a estimular esse setor, até porque com o crédito mais barato e abundante também será um ótimo momento para financiar uma casa.

Em linhas gerais, deverá haver uma migração do capital nos próximos meses, o que poderá dar um estímulo econômico para diversas atividades econômicas. Isso poderá ajudar o país a sair mais rapidamente do recesso econômico.

Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário, sua sugestão e compartilhe esta notícia com seus amigos nas redes sociais.