Vazamento de dados expõe 220 milhões de brasileiros. Confira!

Dados sensíveis de grandes autoridades do país e milhões de brasileiros vazaram por roubo de lista, ato que fere a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Saiba mais a seguir.



Anúncios



Anúncios

Vazamento de dados

Vazamento de dados

Na manhã da última terça-feira (19), o laboratório de segurança digital da Psafe identificou um vazamento de dados sem precedentes.

Segundo o Dfndr Lab, dentre as informações vazadas estão o CPF, nome completo e data de nascimento de praticamente todos os brasileiros.

A lista roubada também continha dados sensíveis de grandes autoridades do país. Isso fere diretamente a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Quer saber mais sobre como foi esse vazamento de dados? Então vem com a gente neste artigo.



Anúncios



Anúncios

Como foi esse vazamento de dados?

O vazamento de dados foi detectado pelo Laboratório de Segurança Digital da Psafe na manhã da última terça-feira (19). No entanto, até o momento, não foi identificada a origem do ataque.

Mas o que se sabe é que esse foi um dos maiores ataques da história. Afinal, além dos dados de 220 milhões de pessoas, foram roubados também dados de 104 milhões de veículos e 40 milhões de empresas.

Dentre os dados roubados das empresas estão o número do CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica), razão social, nome fantasia e data da fundação.



Anúncios

Como os hackers podem usar esses dados?

Os hackers podem fazer a comercialização desses dados na chamada dark web. Ou então, podem usá-los em outros métodos de ataque.

Segundo Emilio Simoni, diretor da Dfndr Lab, ao ter os dados básicos de uma pessoa, os criminosos podem usar a engenharia social para obter dados mais críticos das vítimas.

E sabe o que isso significa? Eles podem usar esses dados para solicitar empréstimos, alterar senhas de banco, ou então fazer solicitação de serviços como TV a cabo.

Por isso, há bastante preocupação em relação a esse vazamento. Afinal, foram vazados dados de praticamente todos os brasileiros.


Leia também:


Não se sabe a origem deste ataque?

O Laboratório de Segurança Digital, até agora, não conseguiu descobrir a origem do ataque. E alerta que esse é um ataque bem preocupante por conta da sua magnitude.

Uma das maiores preocupações diz respeito ao vazamento de mais de 104 milhões de dados de veículos.



Anúncios

Só para ter uma ideia, foram vazados o número do chassi, município de registro, placa do automóvel, modelo, ano de fabricação, cilindradas e tipo de combustível utilizado.

Com essas informações em mãos, os criminosos podem, inclusive, aplicar golpes mais sofisticados, pois esses dados servem como isca.

Por isso a preocupação é grande por parte do Laboratório de Segurança Digital. E o que se espera é que a origem do ataque seja identificada.

Há como se proteger de ataques como esse?

Ataques como esse que aconteceu na terça-feira (19) são bem sofisticados. Por isso, nesse caso, não há muito o que pode ser feito.

No entanto, você pode se proteger contra outros tipos de ataques na web. O mais importante é limitar as suas informações na internet.

Desse modo, só forneça dados como telefone, endereço, CPF, e-mail, se isso for estritamente necessário. E observe se há o cadeado de segurança no site (ao lado do endereço no navegador).

Quando você expõe desnecessariamente esses dados, eles se tornam verdadeiros presentes para os criminosos cibernéticos.



Anúncios

Além disso, não faça compras com os dados do seu cartão de crédito físico na web. Procure usar o cartão virtual para isso.

Pois, no caso do cartão virtual, o código de segurança (CVV) expira a cada compra ou 24 horas. E mesmo que o cartão seja clonado, o meliante não conseguirá fazer nada com ele.

Por isso, bancos como Santander, Banco do Brasil e Itaú estão fornecendo essa opção para seus clientes. Isso garante mais segurança para todos.

Nesse mundo digital, qualquer cuidado é pouco. Se gostou desta matéria, não deixe de compartilhar com seus amigos nas redes sociais.